Memórias

Durante um período de férias que passou em uma ilha, todos os dias, após o café da manhã, caiu uma chuva por cerca de meia hora, o que adiava o momento de sair para a praia. 

 

Num desses dias, a artista se propôs a desenhar, enquanto a chuva caia, formas que vieram à sua mente a partir das experiências que teve no contato com a paisagem do local.

 

No papel foram elaboradas configurações que se assemelham com galhos, raízes do mangue, canoas, pedaços de corais encontrados à beira do mar, troncos de coqueiros, dentre outros.