Amorfos

Os objetos captados, que à primeira vista se assemelham com os aspectos de uma pedra, são na verdade cacos de vidro, que reduziram-se a resquícios esvaziados das suas formas originais.

 

Estes foram encontrados durante caminhadas na praia. A ação do tempo, do sal e da areia, junto com o movimento de vai e vem da água do mar, fizeram com que os materiais perdessem suas bordas pontiagudas, ganhando contornos mais orgânicos.

 

Os cacos foram fotografados em um ambiente despido de elementos que pudessem desviar a atenção do olhar. A ideia foi colocar em evidência as formas, deixando de lado os excessos, focando apenas nas configurações e sombras dos vidros. Neste trabalho, a artista se propõe a salientar como o tempo e a natureza foram essenciais para desbastar esse material e revelar sua essência em novas configurações.